Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Rosa’

Exemplar 162

ledoIvoEm meio ao frenesi futebolístico provocado pela Copa Do Mundo em mais um magnífico mês de junho, resolvi, um dia destes, largar um pouco os livros e zapear pela TV atrevendo-me a conferir a programação de alguns canais alheios à cobertura da citada competição esportiva. Quando me coloco a mudar freneticamente de canais televisivos, nunca procuro algo específico, mas qualquer imagem que, durante o intervalo de tempo de um segundo que separa uma mudança da outra, me chame a atenção. Nesse dia ao qual me referi, interrompeu-me a figura terna e agradável do saudoso poeta alagoano Lêdo Ivo, com seu jeito simples e preciso de falar, sem rodeios, inconfundível. Eu já havia gostado muito de assistir a uma entrevista desse valoroso imortal da Academia Brasileira de Letras concedida ao jornalista Geneton Moraes Neto, quando contou, risonho e descontraído, algumas histórias de sua convivência com outros famosos escritores: revelou que Guimarães Rosa, por exemplo, era um sujeito muito pouco modesto pois se julgava, sem o menor pudor, o melhor escritor da língua portuguesa de todos os tempos; disse também que era Rosa quem escrevia os press-releases de seus próprios livros, quando os elevava à condição de obras-primas, trabalhos inigualáveis na literatura mundial. Nesse segundo programa que comecei a assistir, mais uma biografia que uma entrevista, Ivo contou sobre suas origens humildes em Maceió e que ele desde cedo já se imaginava um escritor, mesmo vivendo numa cidade sem bibliotecas à época. Sobre outros escritores, revelou que sempre foi muito próximo a Graciliano Ramos e que esse o influenciou quando resolveu definir seu estilo, refratário ao movimento modernista de 1922: Ramos considerava os modernistas nada além de um bando de homossexuais assanhadiços. Entremeando esses causos, vários sonetos do poeta eram recitados, e devo confessar que, mesmo sendo um amante mais da prosa que da poesia, apreciei deveras os cuidadosos versos do autor alagoano. No intuito de melhor conhecer sua obra e também para saciar temporariamente minha ânsia por livros, resolvi encomendar por uma famosa livraria virtual o título Poesia Completa 1940-2004, da Editora Topbooks. Transcorridos os intermináveis dez dias para a entrega, tal qual um menino que recebe um presente há muito desejado, fui invadido por uma satisfação inenarrável ao abrir o livro e descobrir que meu exemplar, composto em papel de alta gramatura, é o centésimo sexagésimo segundo de uma edição com apenas duzentos exemplares e que, surpreendentemente, está autografado. Repito: autografado. Não, não se trata de uma assinatura psicografada: Lêdo Ivo, falecido em 2012, assinou os duzentos exemplares ainda em vida. Orgulhoso, estou com o meu aqui perfeitamente perfilado em minha estante pretensiosa; creio que restem apenas trinta e oito ou menos na Editora. A propósito, já li algumas páginas dessa obra e transcrevo a seguir um dos poemas que mais apreciei.

O TODO E A PARTE

Uma parte visível.
A outra parte escondida.
Assim me divido
no jogo da vida.

Assim me divido,
me somo e me subtraio.
Uma parte é do relâmpago
e a outra parte é do raio.

Sou dia e sou noite,
a certeza e o talvez
atrás da montanha.

Só ganho quando perco.
Só perco quando ganho.
Estou desperto e sonho.

(Curral de Peixe, 1991-1995)