13.500Hz

hi-res-musicLembro-me que num post bastante antigo, publicado numa época em que este blog ainda conseguia atrair a atenção de alguns poucos leitores mais pacientes, divulguei consternado uma condição que me acompanha ainda hoje, denominada tecnicamente acufeno, mais popularmente apelidada de zumbido ou zuído. No meu caso, trata-se de uma percepção auditiva, sem estímulo externo, que se manifesta por meio de um sinal acústico cuja frequência orbita em torno de 13.500Hz. O ruído se assemelha ao de um assobio bem fininho, quase no limite do agudo, e essa situação seria relativamente suportável não fosse o silvo implacavelmente persistente: eu desconheço o silêncio, por exemplo, no prelúdio do sono, quando os volumes do ambiente estão baixos. A única variação no citado barulho ocorre em sua amplitude, ou seja no volume do assobio: uma boa noite de sono, esporte e gingko-biloba diminuem o volume; mas cansaço, álcool, açúcar, cafeína, música, travesseiro alto e antibióticos aumentam. Entre aquele post longínquo e este, tenho notado os itens elevadores do volume mais contundentes que os diminuidores, e o efeito cumulativo têm sido a notável degradação de minha capacidade auditiva, particularmente no ouvido direito. Devo dizer que abdicar dos estimuladores da citada altura sonora não me causa maiores descontentamentos, exceto de um deles, música, que para mim é algo indissociável desta aventura denominada viver. Assim, privado dos demais itens maléficos, resolvi lidar com a questão da música aproveitando a oportunidade dada por nossos honoráveis médicos ao se declararem ignorantes quanto à terapêutica e às causas do problema: diante disso, eu próprio criei as minhas. Em primeiro lugar, vamos às causas. Nos últimos tempos, invadiu-me a crença de que esta minha condição foi provocada porque passei a ouvir música veiculada em arquivos digitais no formato mp3 e similares. Explico. Esses formatos de arquivos musicais digitais, dentre os quais o mp3 é o exemplo mais difundido, são classificados como lossy ou “com perdas”. Quando a música alcançou os pequenos dispositivos móveis, a necessidade por espaço foi premente, demanda que os volumosos arquivos musicais brutos não atendem. Chamo arquivo bruto aos arquivos digitais gerados por conversores analógico-digitais como um passo na longa cadeia dos processos de gravação musical. Em linhas gerais, os arquivos lossy são um subproduto desse processo de gravação, uma vez que resultam de uma rotina de filtragem, quando são retiradas dos arquivos brutos grandes parcelas de informação. Seguida dessa filtragem, que elimina pedaços considerados pelos “especialistas” como inaudíveis à percepção média, há um processo de compactação do arquivo lossy, que o torna atrativamente pequeno, cerca de cinco a dez vezes menor que os arquivos brutos. As informações num arquivo bruto extraído de CD, por exemplo, caminham num fluxo de cerca de 1000 kilobits por segundo, enquanto que nos lossy ditos de alta “qualidade” o fluxo é de 250 kilobits por segundo. Diante desse sofisticado tipo de corte ou censura, minha crença funda-se na convicção nada científica de que a música desses arquivos, por ser retalhada, é desnatural, contrafeita. Sem saber lidar com ela, o ouvido então reage, ruidoso. Voltei então aos meus velhos CD’s e já estava quase conformado com a impossibilidade de ouvir música no celular quando a comunidade audiófila, sempre refratária aos arquivos lossy, inventou a tal música de alta resolução (Hi-Res Music). O audiófilo é uma espécie de maluco para o qual a busca da perfeição sonora adquire contornos quase místicos: ele procura ouvir, através de seus requintados aparelhos de som, a voz de Deus. Indo muito além de minha demanda por qualidade de CD nos arquivos musicais digitais, a música de alta resolução dos audiófilos se baseia no fato comprovado cientificamente de que a resolução do ouvido humano é maior que a taxa de amostragem de 44.100Hz utilizada na gravação de CDs e outras mídias. Explico. O sinal analógico, contínuo, precisa ser discretizado nos zeros e uns do formato digital; e assim o conversor, para gerar o arquivo digital, amostra o sinal analógico a cada 1/44.100 segundos. Ocorre que nas frequências sonoras mais audíveis, o ouvido humano médio consegue discernir diferenças sonoras num intervalo de até 1/192000 segundos. Assim, estupefato, pude concluir que até nos arquivos brutos, há perda audível de informação. A partir daí, passei a adotar os arquivos digitais com música de alta resolução, comprimidos mas não filtrados, chamados arquivos Hi-Res lossless (sem perda), como uma alternativa aos formatos lossy. Há diversos sites que vendem músicas nesses formatos, cuja taxa de amostragem supera os 44.100Hz do CD; algo que torna o citado fluxo de informações superior aos 2000 kilobits por segundo. Surgiu então um problema: o que fazer com minha extensa coleção de CDs, todos amostrados com os míseros 44.100Hz? Novamente os audiófilos, aqueles menos ortodoxos, vieram em meu socorro com um recurso denominado upsample, que significa elevar a taxa de amostragem do CD interpolando matematicamente a informação digital. Fiz então o upsample de todos os meus CD’s, colocando-os em formato Hi-Res Lossless. Esse enorme esforço foi motivado pela percepção do menor efeito elevador do zumbido pela música de alta resolução em comparação à musica lossy: auto-sugestão? Pode ser, mas o fim alcançado justificou amplamente o meio adotado, auto-sugestivo ou não. Quanto à terapêutica que criei, prefiro não revelar os detalhes para não ser acusado de curandeirismo, ou de exercício ilegal da medicina. O que posso dizer é que há elementos da medicina caseira – garrafadas e preparados – e também terapia sonora, pela qual se acredita que ouvir sistematicamente um sinal sonoro dotado de todas as frequências do espectro audível, exceto aquela do zumbido (13.500Hz no meu caso), pode reduzir imensamente seu volume.

Atento

– Oi pai, bom dia! – disse o menino.porta1
– Bom dia, meu filho! – respondeu o pai.
– Melhorou?
– De que meu filho?
– Ué? Da diarreia de ontem à noite!
– Diarreia? Que diarreia?
– É que eu passei pela porta do quarto de vocês e ouvi a mamãe perguntar: “Essa merda sua não endurece não!?”

Zico

flamengo1982Minha formação futebolística está intimamente ligada ao campeonato carioca, cujos jogos eram transmitidos ao nosso tubo televisivo todo domingo à tarde, religiosamente, pela também carioca Rede Globo. Num período onde as paixões são mais intensas, a adolescência, tive a grata oportunidade de não precisar escolher para meu time do coração entre Corinthians, Palmeiras, São Paulo, Portuguesa e outras superfluidades paulistanas do gênero. Havia, à minha disposição, equipes de técnica mais refinada como o Vasco de Roberto Dinamite, o Fluminense de Cláudio Adão e Paulo Vítor, sem falar no Flamengo de Zico, Júnior, Leandro, Andrade, Adílio, Marinho, Nunes, Tita e Raul.
O meu primo, poucos anos mais velho e expectador do rudimentar futebol paulista, vítima de uma doença debilitante do intelecto chamada Corinthians, opunha-se, de maneira sistemática e contundente, ao Clube de Regatas do Flamengo, time que melhor definia o futebol arte daqueles tempos, tanto no âmbito carioca quanto, por falta de adversários à altura, no nacional.

Devo confessar que a relação com esse meu primo nunca foi das mais harmônicas e não era incomum nos engalfinharmos por alguma desavença. Cultivávamos o hábito pouco saudável de provocar um ao outro com brincadeirinhas pouco ortodoxas. Certa vez, acordei repentinamente de uma sesta maravilhosa com um palito de fósforo aceso encravado entre dois dedos do pé. O revide à essa afronta imperdoável ocorreu dias depois, numa bela manhã de sábado, quando ele ingeriu apressadamente, antes de sair para o encontro habitual com a namoradinha, uma generosa chávena do seu leite matinal no qual haviam sido dissolvidas três drágeas do inexpugnável Dulcolax.
Por conta dessas e outras diabruras de parte a parte, fica evidente minha escolha pelo Flamengo, algo que se deu tão logo percebi a contundente implicância de meu primo corinthiano com a esquadra rubro-negra e seu futebol invejável. Já plenamente convencido dessa minha opção, ele radicalizou ainda mais sua oposição, que atingiria seu ápice num domingo pitoresco. Na tarde do dia 18 de abril de 1982, deu-se a primeira final do campeonato brasileiro: Flamengo x Grêmio. Era preciso que o time carioca garantisse um bom resultado em casa, porque o segundo jogo ocorreria no Estádio Olímpico. Sobre o sofá lá de casa, em frente à TV, estavam eu, meu primo e um ilustre convidado seu: um asqueroso gremista serelepe. Aos 38 minutos minutos do segundo tempo, o meia-armador Tonho Gil marca um gol para o Grêmio, na única oportunidade criada pelo tricolor gaúcho. 
Enquanto os dois pulavam, gritavam e se cumprimentavam efusivamente, eu chorava copiosamente. Àquela altura da partida, julgava quase impossível uma recuperação do meu Flamengo: não havíamos conseguido vencer a retranca do adversário durante 83 minutos; não seria então nos 7 minutos restantes que isso ocorreria. Constrangido com aquelas lágrimas por conta da presença do convidado gremista, retirei-me da sala e corri para o quarto. Ali, pensei: “Vou parar de chorar. Preciso ajudar o Mengão contra esses dois filhos da puta. Vai ser o Zico lá no Maracanã e eu aqui”.
Três minutos após minha saída, retornei recomposto ao sofá e foram necessários outros três até que Júnior, na ponta esquerda, conseguisse cruzar a bola na área para que Zico, antecipando-se ao zagueiro, ficasse cara a cara com o goleiro Leão. Numa situação como essa, até um modesto conhecedor de futebol daquela época, torcedor de qualquer time do mundo, já saberia do resultado. Quando recobrei a consciência, eu estava sambando em cima da mesa da sala, a mesma sala da qual havia fugido, aos prantos, seis minutos antes. Na partida seguinte, o Flamengo sagrou-se campeão brasileiro de 1982.

Renovado

butterNo intuito de chamar a atenção para si, após um longo tempo inativo, o Extrato resolveu renovar seu guarda-roupa procurando apresentar–se ainda mais elegante, sem negligenciar o estilo minimalista que lhe é peculiar. Ele espera atrair novos leitores e reconquistar os antigos, dispondo da velha estratégia de priorizar a forma em relação ao conteúdo. Em breve, novos posts!

Toscano

canario-belgaNo dia 5 de Julho de 1982, eu acabara de completar dez anos, idade em que o futebol para a maioria esmagadora dos brasileirinhos daquela época longínqua significava muito mais do que uma mera modalidade esportiva. Nesse dia inesquecível, foi disputada a partida Brasil x Itália pela terceira rodada da segunda fase da Copa do Mundo de Futebol, cujo país-sede era a Espanha. Eufórico com as quatro espetaculares vitórias brasileiras até ali, sem dizer do título de campeão brasileiro conquistado pelo meu Flamengo no glorioso mês de abril daquele ano sobre o truculento Grêmio, em pleno estádio Olímpico, comecei assistindo a partida absolutamente contaminado pelo clima de otimismo que se disseminara após nossa impecável vitória sobre a odiosa Argentina. Diante da fraquíssima campanha italiana na copa, dizia-se despudoramente por aqui: “Vai ser moleza! A Itália é freguês!”. Durante o jogo, aconteceu que a providência divina resolveu ser bastante benevolente com um certo toscano nascido na província do Prato em 1956. Recém egresso de um banimento de dois anos do futebol por envolvimento em escândalo de venda de jogos, massacrado pelos jornalistas esportivos de seus país e ridicularizado por sua torcida, o jogador Paolo Rossi, o tal toscano, foi um atacante convocado de última hora, para participar da Copa da Espanha, pelo destemido técnico Enzo Bearzot: único ser humano italiano da época que, em pleno exercício de suas faculdades mentais, acreditava numa possível contribuição desse futebolista, cujos preparos físico e técnico se encontravam bastante defasados em relação aos do restante da equipe. Por conta disso, Rossi foi escalado apenas no quarto jogo da esquadra azurra na competição, quando ela bateu a Argentina por dois a um, com gols de Tardelli e Cabrini. Repetiu-se sua escalação no jogo seguinte, o supracitado, contra o Brasil, quando aos cinco minutos do primeiro tempo, Rossi marca seu primeiro gol na copa, abrindo o placar da partida ao cabecear, livre de marcação, uma bola cruzada pelo lateral-esquerdo Cabrini. O time brasileiro buscou então o empate; score que lhe garantiria o prosseguimento na competição e a consequente eliminação da Itália. Assim o fez a seleção canarinho logo em seguida ao gol italiano, aos doze minutos, numa jogada espetacular de Zico, driblando seu adversário e assistindo Sócrates na área, que chutou uma bola rasteira, entre a trave esquerda e o excelente arqueiro italiano Dino Zoff. Rossi não se deixou abater e, oportunista, roubando a bola de um canhestro recuo feito por Toninho Cerezo para a intermediária defensiva do Brasil, partiu livre em direção à área e fuzilou o medíocre goleiro Valdir Peres aos vinte e cinco minutos de jogo. Assim, a Itália terminou o primeiro tempo na frente, mostrando – de maneira bastante contundente – ao time e à torcida brasileiros que venderia muito, muito cara a sua eventual eliminação. O segundo tempo iniciou nervoso até os treze minutos, quando Júnior avança da lateral esquerda para a intermediária italiana e percebe Falcão livre de marcação na entrada da grande área. O volante brasileiro conduz a bola para a esquerda, procurando uma brecha para o chute, e finalmente dispara a bola direto para o gol. Lembro-me que nesse momento, comecei a chorar num misto de alegria e desespero; naquela época, o futebol ainda me despertava essas reações apaixonadas. Pela comemoração emocionada de Falcão, percebi claramente que havíamos desrespeitado nosso adversário e que o empate apenas equilibrava as duas forças em campo, não garantido absolutamente vantagem alguma. Tal clarividência confirmou-se aos vinte e nove minutos numa bola de escanteio, cruzada bem aberta na área brasileira, e desviada por Rossi, livre de marcação, após uma tentativa de chute de fora da área, que foi direto para o fundo das redes brasileiras. Rossi e sua Itália estavam novamente na frente e assim permaneceram até o final da partida, sob os olhares de um público estupefato e o corre-corre desarticulado de uma seleção brasileira que parecia indignada com a determinação de seu oponente. Após essa partida, o futebol nunca mais foi o mesmo para mim: de alguma forma, ficaram cicatrizes, lembranças amargas de uma certeza frustrada e também um certo senso de auto preservação, advindo da percepção – rudimentar à época e que hoje se sedimentou – de que é bem mais saudável encarar o futebol como de fato uma mera competição esportiva. Durante muito tempo, acalentou-me o patético discurso de que a seleção brasileira era a melhor equipe da Copa de 82, mas que infelizmente o melhor nem sempre vence. Ao escrever este texto, constatei que tal falácia busca amenizar as dores do derrotado, pois no caso da Copa da Espanha, não foi bem isso que aconteceu. Nas fases eliminatórias, onde o perdedor volta para casa, a Itália superou seus adversários de maneira incontestável e contra seleções consideradas tecnicamente superiores: Argentina, Brasil, Polônia e Alemanha Ocidental. Depois do jogo contra o Brasil, Paolo Rossi, nosso carrasco de Sarriá, que virou titular absoluto, marcou os dois gols da Itália contra a Polônia e mais um na final; tentos que lhe garantiram a artilharia da competição, pela qual recebeu a chuteira de ouro e também o título de melhor jogador. Concluo, de certa forma surpreso, que a melhor seleção da Copa do Mundo de 1982 na Espanha foi a campeã Itália porque soube vencer quando precisou vencer. De lá para cá, outras copas sucederam e o Brasil pode acrescentar mais dois títulos mundiais ao seu glorioso currículo futebolístico; mas devo dizer que nenhum evento no futebol após essa terrível derrota para a Itália me trouxe tantos ensinamentos. Hoje, assistindo a mais uma copa, desta vez em meu país, é interessante observar, com os devidos distanciamento e discernimento que faltaram àquelas lágrimas abundantes nos meus ingênuos dez anos de idade, as reações dos que optaram por ficar mais profundamente envolvidos: os oportunistas badernam nas ruas; os sindicalistas fazem greve; os argentinos ridicularizam a cerimônia de abertura; os perdedores chamam a copa de circo; a sempre gentil torcida paulistana manda em uníssono a Presidenta da República tomar no cu (afinal de contas, se hostilizar os negros é um direito legítimo, por que não a presidenta?); os covardes se escondem; Galvão Bueno continua esbravejando seus disparates popularescos; a oposição diz que o juiz japonês roubou e a situação, que compensou; Scolari finalmente aprendeu a dissimular também sua truculência enquanto os saudosistas da crônica esportiva tupiniquim espinafram a jovem seleção brasileira, apesar de mais uma vitória em copas do mundo. De minha parte, esta copa será uma ótima oportunidade e motivação para me reunir com os poucos amigos e familiares, desfrutando o divertimento dessas horas raras e, acessoriamente, torcendo em conjunto pelo Brasil.

Willendorf

visualArtsNa minha opinião, nem sempre modesta, todo o agrupamento de pessoas passível de ser qualificado família deveria possuir em seu rol de bens comuns uma enciclopédia sobre Arte, tão cuidadosa e não menos volumosa que uma obra histórica ou o tradicional livro religioso, item essencial para os crentes, como a tal Bíblia da Família, por exemplo. Digo isso porque diferente da História e da Religião, a Arte proporciona uma visão única do ser humano; através dela, é possível assistir à transformação desta necessidade intrínseca ao homem de harmonizar sons, formas, cores e texturas. Conhecer tal necessidade é, em última instância, desvendar muito do espírito humano, uma vez que ela é uma das expressões mais honestas daquilo que o constitui: o amálgama do meio que circunda o homem com seus caracteres inerentes. Assim e por não acreditar na obsolescência dos livros e enciclopédias, ainda que completamente imerso na era da Internet, resolvi dispor em minha estante pretensiosa, ao lado da Bíblia de Jerusalém, a obra The Visual Arts: A History, dos autores Hugh Honour e John Fleming, em sua sétima edição. A abordagem do livro é realmente enciclopédica, pois cobre a Arte desde o período paleolítico até o final do século XX, dedicando alguns capítulos para as artes oriental e americana; tudo isso apresentado num volume único, de mil páginas, tamanho 30 cm x 23 cm, cujo conteúdo possui nível introdutório, mais descritivo que analítico. Animado com a chegada dessa obra robusta, iniciei uma incursão despretensiosa por suas páginas grafadas com letras miúdas, justamente pelo tal período pré-histórico da Arte, quando lá pelas tantas, uma certa figura muito me chamou a atenção. Tratava-se da escultura de uma deusa mãe, conhecida por Vênus de Willendorf, onde são perfeitamente discerníveis, até para o mais desatento observador, os seios generosos e os glúteos protuberantes. Em menor escala, pode-se perceber também os grandes lábios vaginais e sua inconfundível separação. Por alguma razão, o artista preferiu não esculpir o rosto, cobrindo-o com cabelos. O texto explica que tais imagens não eram incomuns naquela época primitiva e sua adoração objetivava atrair a fertilidade, em sua mais ampla concepção: a capacidade de nutrir e de reproduzir. Procurar invocar tais dádivas idolatrando seios e vagina faz todo o sentido, mas qual seria o papel da bunda nessa história? A fim de procurar respostas, matutei intensamente com meus botões e, após um tempo significativo, ocorreu-me a ideia de que o escultor não tencionou conferir um caráter utilitarista ao seu trabalho, visando o fim precípuo de atrair fertilidade. Tenho para mim que ele tentou reproduzir as regiões que mais o encantavam – com motivações puramente sexuais – na fisionomia feminina: dentre as partes interessantes, há a bunda; não há o rosto. Eis que surge então, nesses tempos remotos, as concepções mais rudimentares sobre a beleza feminina: seios fartos, glúteos abundantes, longos cabelos trançados e uma vagina bem definida. A partir daí, tal concepção se desenvolveu e, junto com ela, a faculdade artística do ser humano. Eu diria que essa estreita relação  “Mulher-Arte” é, no mínimo, bastante interessante. Quando chego nesse ponto de minhas elucubrações – uma espécie de resultado -, sou invadido por uma necessidade quase patológica para tirar conclusões. Eis então mais uma: acredito que fazer, praticar Arte é, em última instância, buscar retratar, descrever o feminino.Venus_Willendorf

Chumbo

PigIndigno representante da chamada geração X, este humilde blogueiro veio mundo, contrariado e literalmente à fórceps, não sem razão, na fase áurea da ditadura militar, período em que o general gaúcho Emílio Garrastazu Médici prestava seus serviços no posto de presidente do Brasil, nação recém batizada República Federativa do Brasil. Eleito indiretamente numa sessão conjunta do Congresso Nacional, reaberto para o pleito, o presidente Emílio Médici – que preferiu ser chamado assim para evitar velhas rimas infames com o incomum “Garrastazu” – havia sido o “candidato” indicado pelos “três patetas”. Essa alcunha carinhosa foi conferida pelo saudoso Ulysses Guimarães aos membros da junta militar que precisou governar o país de setembro à outubro de 1969 devido ao AVC (vulgo derrame cerebral) do hipertenso Marechal Artur da Costa e Silva, célebre presidente que detestava livros, mas não as revistas de palavras cruzadas da Ediouro: na cerimônia de sua posse, momentos antes de receber a faixa do seu antecessor Humberto de Alencar Castello Branco – ou Tamanco, para os mais chegados -, Costa e Silva pediu ao cerimonial que esperasse um pouco porque estava prestes a terminar uma cruzada complicada. Nasci portanto na época conhecida atualmente como Os Anos de Chumbo, pois o destemido presidente Médici ou Milito, como era conhecido na boca pequena militar, foi um violento defensor da chamada ordem sistêmica revolucionária, combatendo com rigor incansável aqueles que acreditava desejosos de subvertê-la, seja direta ou indiretamente. Para tal, dispôs convenientemente das prerrogativas que lhe assegurava o famigerado Ato Institucional Número 5, instituído por seu antecessor e concebido alguns anos antes por Júlio de Mesquita Filho, dono do diário paulistano O Estado de S. Paulo, com a balizada colaboração do jurista “uspiano” Vicente Ráo. Com esse expediente legal e outros de cunho, digamos, pouco ortodoxos, Milito deflagrou uma verdadeira guerra aos antigos subversores ainda não capturados pelas garras afiadas do regime militar e também rechaçou com vigor qualquer ato que atentasse, no julgamento dos oligofrênicos agentes do DOPS, contra a paz pública e a segurança nacional. Assim, enquanto minha santa mãezinha se desdobrava para limpar incansavelmente meus glúteos da inevitável sujeira provocada pela imaturidade esfincteriana típica de qualquer bebê, a polícia de Milito, não menos infatigável que mamãe e não menos despreparada que um esfíncter infantil, lançava mão dos meios contundentes que livremente dispunha para limpar as ruas dos asquerosos comunistas, que tanto ameaçavam a estabilidade institucional. Por outro lado, enquanto mamãe procurava, sem muito sucesso, me fazer repousar, a polícia de Milito era bem mais eficiente em colocar seus prisioneiros para dormir, muitos deles em caráter permanente. Sobre esses desafortunados que nunca mais acordaram, a notícia oficial, quando havia, qualificava-os como suicidas; aliás, “nunca dantes na história deste país”, a polícia teve uma habilidade tão grande para encarcerar meliantes vocacionados para o suicídio. Também era de caráter oficial que não havia tortura, que o SNI só grampeava gente suspeita, que Milito era o guardião da democracia, que o regime já estava buscando a abertura política, que o Brasil era o país que ia pra frente, que a Transamazônica promoveria a integração do Norte brasileiro e tantas outras propagandas enganosas, cujo objetivo final era mostrar que apesar do constante perigo vermelho, o país progredia a olhos vistos após a revolução (eles não gostavam do termo “golpe”). Entretanto, ocorreu que a rebeldia juvenil dos filhos da elite – a mesma elite que louvou aos céus a ascensão de Tamanco após a deposição do presidente-latifundiário-comunista e comedor de vedetes João Goulart – resolveu afrontar seus pais menos com sexo, drogas e rock and roll do que com ideias libertárias. Não se pode dizer que esses rebeldes, a maioria estudantes, fossem daqueles do tipo “sem causa”, como o Marlon Brando no filme, uma vez que hastearam a bandeira da liberdade irrestrita de expressão, contrapondo-se ao regime conservador e a tudo o que ele significava: o poder parental. Dotado da ignorância típica de qualquer pai severo e truculento, o governo aceitou a provocação de seus filhos desobedientes e dispôs energicamente de suas armas, aquelas mesmas que utilizava contra os tais vermelhos. A partir daí, a coisa mudou de figura, e a intelectualidade pequeno-burguesa das principais capitais do país começou a não gostar do regime que até então sustentara. Sentado no colo de minha mãe, devidamente protegido com fraldas, pude assistir, algumas vezes, em nossa pequena televisão, às aparições de um velho altivo e taciturno, cujo nome fiquei sabendo mais tarde, já no final de seu governo: Geisel. Foi ele, o Alemão, o General Ernesto Beckmann Geisel, sucessor de Milito, quem resolveu dar cabo do mostrengo que ele próprio e o “cerebral” Golbery do Couto e Silva ajudaram a criar, o tal regime revolucionário de 64, que finalmente pôde ser qualificado como ditadura. Aliás, foi após essa tal abertura que, em nossas reuniões de família, certas coisas puderam ser ditas mais tranquilamente, como aquela piadinha que meu tio não se cansava de contar. Ele perguntava: “Qual é menor chiqueiro do mundo?”. Nós, pré-adolescentes, já sabíamos de cor a resposta, mas sempre entrávamos na brincadeira. “É a farda!”, respondíamos. “Por quê?”, ele perguntava. Nós em uníssono retrucávamos: “Porque só cabe um porco!”; e todos caíamos numa sonora gargalhada subversiva.