Sol Morrente

Sol MorrenteO senhor faz favor de mangar de mim não. Só porque tenho essa mania, cria do destemor com a vontade, de mostrar pra Ele que eu posso? Não é pra me desculpar, só pra explicar: sucede que o viver meu depende de arremedar um vivente ou não-vivente valoroso, desses que Deus fez com capricho. Se fala, arremedo. Se canta, arremedo. Se dança, arremedo. Se faz música, arremedo. Se toca instrumento, arremedo. Se aprende, arremedo. Se ensina, arremedo. Se lê, arremedo. Se conta história, arremedo. Arremedo até as manias: mania de arremedar manias. Faço isso desde muito menino. Juro pro senhor: não é fruto do meu querer, que até se acanha disso. Quando acontece, já aconteceu, e o depois… bão, o depois eu termino depois, que a vergonha é doída por demais. Mas, azarento que sou, outra vontade-sem-medo nasce, e a vergonha do antes descansa, pra’tormentar o depois. O senhor escute: dia desses tive um sonho, que eu tinha raízes nos pés, que essas raízes eram longas, que essas longas fincavam em tronco grosso de árvore, que essa árvore que eu sugava vivia numa vereda, que essa vereda tinha um rio, que esse rio era o Urucuia, e o resto… cerrado. Meu avô, pai de mamãe, que Deus o tenha, também criava manias: livros, a dele. O senhor sabe do poente desta nossa terra, não sabe? Bonito que só ele. Pois foi justo mirando nosso sol morrente quando me veio um estalo, desses que dá arrepio no espinhaço: o tal sonho vinha de um livro da pobre estante de meu avô, livro que li as primeiras linhas, preguiçoso que eu era; livro escrito por não-vivente valoroso. Ora essa! Pois agora eu arremedava até em sonho, entrando na história do contador, grudado numa árvore sua. Nasceu daí uma nova vontade-sem-medo, feito um corisco; vontade de me aproveitar da história, de brincar com ela, de fazer ela minha, só um pouquinho… Deus me perdoe, Deus me perdoe, mas nessas horas fico muito cheio de mim, que até me basto, que de uma planta parasita me transformo num ramo, da mesma árvore. Fico tão cheio de mim, mas tão cheio de mim, que consigo olhar pro céu, pro céu deste cerrado sem-fim, e gritar: “Tá vendo! Esse teu desvaloroso filho vivente também pode, também pode!”.

– Nonada. Tiros que o senhor ouviu foram de briga de homem não, Deus esteja. Alvejei mira em árvores no quintal, no baixo do córrego. Por meu acerto. Todo dia isso faço, gosto; desde mal em minha mocidade. Daí, vieram me chamar. Causa dum bezerro: um bezerro branco, erroso, os olhos de nem ser – se viu –; e com máscara de cachorro. Me disseram; eu não quis avistar. Mesmo que, por defeito como nasceu, arrebitado de beiços, esse figurava rindo feito pessoa. Cara de gente, cara de cão: determinaram – era o demo. Povo prascóvio. Mataram. Dono dele nem sei quem for. Vieram emprestar minhas armas, cedi. Não tenho abusões. O senhor ri certas risadas… Olhe: quando é tiro de verdade, primeiro a cachorrada pega a latir, instantaneamente – depois, então, se vai ver se deu mortos. O senhor tolere, isto é o sertão. Uns querem que não seja: que situado sertão é por os campos-gerais a fora a dentro, eles dizem, fim de rumo, terras altas, demais do Urucuia. Toleima. Para os de Corinto e do Curvelo, então, o aqui não é dito sertão? Ah, que tem maior! Lugar sertão se divulga: é onde os pastos carecem de fechos; onde um pode torar dez, quinze léguas, sem topar com casa de morador; e onde criminoso vive seu cristo-jesus, arredado do arrocho de autoridade. O Urucuia vem dos montões oestes. Mas, hoje, que na beira dele, tudo dá – fazendões de fazendas, almargem de vargens de bom render, as vazantes; culturas que vão de mata em mata, madeiras de grossura, até ainda virgens dessas lá há. O gerais corre em volta. Esses gerais são sem tamanho. Enfim, cada um o que quer aprova, o senhor sabe: pão ou pães, é questão de opiniães… O sertão está em toda a parte.. (“Grande Sertão: Veredas”, João Guimarães Rosa)

’Tisnothing. Shots you heard came not from men fighting, no. God forbid. I aimed at trees in the backyard, by the brook’s lowest part. Just to hit the target. Everyday I do this, I enjoy it; since tender youth. Then, they came to call me. ‘Cause of a calf: a white calf, deformed, eyes that are not – never seen -; and with the muzzle of a dog. They told me; didn’t sight it myself. Born flawed, despite its swollen lips, it seemed smiling like a person. Face of human, face of dog: it was the devil – they determined so. Stupid folk. They killed it. I don’t know who its owner was. They came to borrow my guns, I lent. I am not delirious. You sir, laughing those laughters… Look: when it’s a real shot, first the dogs start barking, immediately – after then, we see if there are any corpses. Be patient sir, this is the sertão. Some people do not want it to be: the sertão is located across the inner meadows, they say, end of course, high lands, and beyond Urucuia River. Bullshit. So, to Corinto and Curvelo, is this very here not called sertão? Ah, it is bigger! This is sertão: it’s the place where the grazing grass has no end; where someone travels thirty, forty-five miles, without meeting a single resident’s house; and where de criminal carries his own cross, far away from the authorities’ burden. The Urucuia comes from the west mounts. But today, on its both sides, everything grows – wealthy big farms, profitable pasture herbs, the river’s ebbs; plantations crossing forests, trees with a thick trunk, even virgin ones can be found there. The state of Minas Gerais runs around; and its fields are interminable. But, in the end, everyone believes in what they want to, as you know: tomayto or tomahto, is just a matter of choice… The sertão is everywhere. (“Backwoods”, Eu)

Mikro 11

Por alguma razão ainda desconhecida, mas irresistível, o velho aprendiz medíocre resolveu retomar seus estudos de piano, agora na modalidade autodidata, pelo menos por enquanto. De posse de um instrumento eletrônico menos fanhoso e mais sofisticado que o anterior, queimado por uma descarga elétrica mais rápida que os disjuntores e fusíveis disponíveis, nosso aprendiz pode agora imaginar que está tocando um Bösendorfer Imperial, segundo promete o fabricante do equipamento, de origem japonesa. Assim, imerso nessa ilusão, o aprendiz decidiu acrescentar ao conteúdo do Extrato a maravilhosa pecinha número 11, composta pelo grande Béla Bartók para o seu Mikrokosmos Volume 1. A interpretação é fraca, rústica como de costume, de difícil execução para o aprendiz, mas todos já sabemos que ele não tem o menor pudor de divulgar esta e outras produções vergonhosas.

Alívio


O pai costumava andar de cueca pela casa. Certo dia, a filha pré-adolescente pergunta:
– Papai, você gostaria de ter um pinto maior?
– Filha…. Estou satisfeito com o que tenho! Afinal, consegui fabricar você e seu irmãozinho.
– Pois o meu homem vai ter um pinto bem grande.
– Filha…. Tamanho não é documento!  – alertou a mãe assustada.
– Ufa! Ainda bem! – exultou o filho caçula.

13.500Hz

hi-res-musicLembro-me que num post bastante antigo, publicado numa época em que este blog ainda conseguia atrair a atenção de alguns poucos leitores mais pacientes, divulguei consternado uma condição que me acompanha ainda hoje, denominada tecnicamente acufeno, mais popularmente apelidada de zumbido ou zuído. No meu caso, trata-se de uma percepção auditiva, sem estímulo externo, que se manifesta por meio de um sinal acústico cuja frequência orbita em torno de 13.500Hz. O ruído se assemelha ao de um assobio bem fininho, quase no limite do agudo, e essa situação seria relativamente suportável não fosse o silvo implacavelmente persistente: eu desconheço o silêncio, por exemplo, no prelúdio do sono, quando os volumes do ambiente estão baixos. A única variação no citado barulho ocorre em sua amplitude, ou seja no volume do assobio: uma boa noite de sono, esporte e gingko-biloba diminuem o volume; mas cansaço, álcool, açúcar, cafeína, música, travesseiro alto e antibióticos aumentam. Entre aquele post longínquo e este, tenho notado os itens elevadores do volume mais contundentes que os diminuidores, e o efeito cumulativo têm sido a notável degradação de minha capacidade auditiva, particularmente no ouvido direito. Devo dizer que abdicar dos estimuladores da citada altura sonora não me causa maiores descontentamentos, exceto de um deles, música, que para mim é algo indissociável desta aventura denominada viver. Assim, privado dos demais itens maléficos, resolvi lidar com a questão da música aproveitando a oportunidade dada por nossos honoráveis médicos ao se declararem ignorantes quanto à terapêutica e às causas do problema: diante disso, eu próprio criei as minhas. Em primeiro lugar, vamos às causas. Nos últimos tempos, invadiu-me a crença de que esta minha condição foi provocada porque passei a ouvir música veiculada em arquivos digitais no formato mp3 e similares. Explico. Esses formatos de arquivos musicais digitais, dentre os quais o mp3 é o exemplo mais difundido, são classificados como lossy ou “com perdas”. Quando a música alcançou os pequenos dispositivos móveis, a necessidade por espaço foi premente, demanda que os volumosos arquivos musicais brutos não atendem. Chamo arquivo bruto aos arquivos digitais gerados por conversores analógico-digitais como um passo na longa cadeia dos processos de gravação musical. Em linhas gerais, os arquivos lossy são um subproduto desse processo de gravação, uma vez que resultam de uma rotina de filtragem, quando são retiradas dos arquivos brutos grandes parcelas de informação. Seguida dessa filtragem, que elimina pedaços considerados pelos “especialistas” como inaudíveis à percepção média, há um processo de compactação do arquivo lossy, que o torna atrativamente pequeno, cerca de cinco a dez vezes menor que os arquivos brutos. As informações num arquivo bruto extraído de CD, por exemplo, caminham num fluxo de cerca de 1000 kilobits por segundo, enquanto que nos lossy ditos de alta “qualidade” o fluxo é de 250 kilobits por segundo. Diante desse sofisticado tipo de corte ou censura, minha crença funda-se na convicção nada científica de que a música desses arquivos, por ser retalhada, é desnatural, contrafeita. Sem saber lidar com ela, o ouvido então reage, ruidoso. Voltei então aos meus velhos CD’s e já estava quase conformado com a impossibilidade de ouvir música no celular quando a comunidade audiófila, sempre refratária aos arquivos lossy, inventou a tal música de alta resolução (Hi-Res Music). O audiófilo é uma espécie de maluco para o qual a busca da perfeição sonora adquire contornos quase místicos: ele procura ouvir, através de seus requintados aparelhos de som, a voz de Deus. Indo muito além de minha demanda por qualidade de CD nos arquivos musicais digitais, a música de alta resolução dos audiófilos se baseia no fato comprovado cientificamente de que a resolução do ouvido humano é maior que a taxa de amostragem de 44.100Hz utilizada na gravação de CDs e outras mídias. Explico. O sinal analógico, contínuo, precisa ser discretizado nos zeros e uns do formato digital; e assim o conversor, para gerar o arquivo digital, amostra o sinal analógico a cada 1/44.100 segundos. Ocorre que nas frequências sonoras mais audíveis, o ouvido humano médio consegue discernir diferenças sonoras num intervalo de até 1/192000 segundos. Assim, estupefato, pude concluir que até nos arquivos brutos, há perda audível de informação. A partir daí, passei a adotar os arquivos digitais com música de alta resolução, comprimidos mas não filtrados, chamados arquivos Hi-Res lossless (sem perda), como uma alternativa aos formatos lossy. Há diversos sites que vendem músicas nesses formatos, cuja taxa de amostragem supera os 44.100Hz do CD; algo que torna o citado fluxo de informações superior aos 2000 kilobits por segundo. Surgiu então um problema: o que fazer com minha extensa coleção de CDs, todos amostrados com os míseros 44.100Hz? Novamente os audiófilos, aqueles menos ortodoxos, vieram em meu socorro com um recurso denominado upsample, que significa elevar a taxa de amostragem do CD interpolando matematicamente a informação digital. Fiz então o upsample de todos os meus CD’s, colocando-os em formato Hi-Res Lossless. Esse enorme esforço foi motivado pela percepção do menor efeito elevador do zumbido pela música de alta resolução em comparação à musica lossy: auto-sugestão? Pode ser, mas o fim alcançado justificou amplamente o meio adotado, auto-sugestivo ou não. Quanto à terapêutica que criei, prefiro não revelar os detalhes para não ser acusado de curandeirismo, ou de exercício ilegal da medicina. O que posso dizer é que há elementos da medicina caseira – garrafadas e preparados – e também terapia sonora, pela qual se acredita que ouvir sistematicamente um sinal sonoro dotado de todas as frequências do espectro audível, exceto aquela do zumbido (13.500Hz no meu caso), pode reduzir imensamente seu volume.