Pular para o conteúdo

Arquivo de

O Porvir

faltam4diasSegundo a tabela de mortalidade do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada em 2012, o homem brasileiro com a idade de quarenta anos em 2010 viverá, em média, até os 75,1 anos e aquele com os mesmos quarenta em 2011 viverá até os 75,3. Fazendo-se um extrapolação linear desse crescimento, uma vez que o IBGE ainda não divulgou os dados do ano passado, o homem de quarenta em 2012 viverá 75,5 anos. Atualmente, isso significa que um ser humano do sexo masculino, nascido no Brasil em 1972, desfrutando, na sua plenitude, da complicada idade do lobo, tem pela frente 45,6% de sua vida. Portanto, esses primatas, dotados de sofisticado raciocínio lógico e de um polegar opositor, já usufruíram mais da metade de sua história no planeta Terra. Ao subconjunto deles, composto por amantes da Literatura, do qual faço parte integrante, restam-lhe menos de 34,5 anos de leitura, uma vez que nem mesmo o leitor mais desocupado consegue ler ininterruptamente. Consideremos que esses tais aficionados lerão, em média, três horas por dia durante trinta anos. Há, portanto, uma janela de tempo de 4 anos para leitura ininterrupta. Em um romance, há em média 120.000 palavras. Assim, esses ávidos leitores, hoje quarentões, lendo uma média de 170 palavras por minuto, consumirão, até se tornarem setuagenários, por volta de 3.000 romances. Caso haja, dentre os indivíduos citados, alguns deles cujas quantidades de títulos ainda por ler em suas bibliotecas particulares já tenham ultrapassado o correspondente à esse número, eles precisarão começar a fazer escolhas cruéis, ou então se fiar na teoria de vidas futuras que reencarnam: interessante perspectiva que ensejaria a prática da leitura por um mesmo espírito – é apenas através dele que se absorve Literatura – até o fim dos tempos. Embora altamente impreciso, o resultado de toda essa aritmética tranquilizou-me sobremaneira, pois, sendo um cético contumaz à teimosa reincidência da alma à vida terrestre, constatei satisfeito que, nas condições da previsão do IBGE, terei tempo de sobra para apreciar minha humilde biblioteca no seu volume atual e também continuar adquirindo compulsivamente mais livros, com a possibilidade real de conseguir lê-los. Alguns diriam que essa minha tranquilidade diante de tão débeis suposições é descabida, sendo fruto de arrogância, de prepotência, uma vez que o futuro e a onipotência à Deus pertencem. Os religiosos mais extremistas diriam que é pecado venial porque tal sensação de segurança, embora inconsciente, é como querer se igualar ao Todo-Poderoso; cogitariam a hipótese de que eu, imerso nessa autoconfiança profana, poderia ser acometido por uma síncope letal a qualquer momento, até mesmo durante minhas leituras. Sou obrigado a concordar, em certa medida, com a ideia do pedantismo; talvez seja isto mesmo: lá no fundo de minha mente perturbada, agrada-me a ilusão de ser o dono do meu futuro. À superfície, tenho plena consciência de que o porvir é praticamente incontrolável; digo “praticamente” porque há algumas certezas: na hipótese da tal síncope durante a leitura, por exemplo, é absolutamente certo que eu não estaria segurando um livro do “blue eyes” Chico Buarque de Hollanda – “escritor” que precisa estar em Paris para se inspirar -, nem do imortal Paulo Coelho – considerado persona non grata à feira literária de Frankfurt 2013 – e de outros congêneres.

Alinne Moraes

Alain Geoffroy

geoffroyDesejoso de compartilhar minha  experiência ao degustar o vinho de nome Petit Chablis Alain Geoffroy, embora sendo um ignorante absoluto em matéria de enologia, peço desculpas antecipadas aos entendidos e me permito o atrevimento de descrevê-lo assim:
Cor: dourado bem, bem clarinho;
Aroma: daqueles que provocam imagens aprazíveis;
Sabor: nos convence a crer que naquele instante a vida é bela;
Tipo: Branco;
Safra: 2007;
Região: Chablis;
Origem: França (só podia ser!);
Nota: 4/5

Salgueiro


Local: Hotel da Fazenda Dona Carolina (Itatiba)
Equipamento: Nikon D700 com objetiva Nikkor 24-120mm
Exposição: abertura f/5.6, velocidade 1/125s e ISO200
Pós processamento: Apple Aperture 3

Sete

sevenHá muito, muito tempo, numa de minhas frequentes visitas solitárias ao cinema, tive o prazer de assistir ao filme Se7en – Os Sete Crimes Capitais (Se7en), do diretor David Fincher. Estrelada por Morgan Freeman e Brad Pitt nos papéis de investigadores de polícia, a película (a mídia ainda era essa em 1995) conta a história de um serial killer – interpretado pelo ator Kevin Spacey, em sua melhor atuação até o momento – cujo modus operandi se inspira nos chamados sete pecados capitais: Gula, Avareza, Luxúria, Ira, Inveja, Preguiça e Vaidade. A dupla de investigadores é então encarregada de descobrir o paradeiro do assassino e capturá-lo. Assim descrito, com a prudência de não revelá-lo aos que ainda não assistiram, o filme parece banal, soando como um história policial previsível, como mais um produto padronizado da indústria cinematográfica norte-americana. Confesso que em relação à sétima arte, sou alguém de difícil satisfação e convencimento: não é muito comum que eu considere uma história filmada tão nobre quanto uma história escrita. Entretanto, no caso de Se7en, minhas resistências caem por terra e me acorre a necessidade de ser justo, de ser honesto, de afirmar categoricamente que esse filme é um autêntico trabalho artístico, uma obra-prima. Em sua trilha sonora, há uma famosa peça do indescritível compositor Johann Sebastian Bach, e são citados no transcorrer da história os célebres autores Dante Alighieri e John Milton. Não posso dizer que Se7en tenha influenciado minha admiração atual por Bach e Dante, mas é curioso assistir ao filme hoje e perceber que eu já havia tomado conhecimento dessas duas personalidades, as quais, anos mais tarde, seriam parte integrante de minha estante pretensiosa: por algum motivo, a modesta coleção de Bach e A Divina Comédia estão dispostas bem próximas. Alguns dias atrás, recebi o livro John Milton: The Complete English Poems – coleção de poemas do poeta inglês John Milton, lançado pela cuidadosa editora inglesa Everyman’s Library – e o coloquei perto dos demais. Porém, antes disso, como acontece com qualquer livro recém-chegado aos meus domínios, interrompo qualquer outra ocupação a fim de folheá-lo. Chamou-me a atenção um pequeno grande poema dedicado à Shakespeare. Ainda com as fortes lembranças do filme e empolgado com minhas aventuras no campo da tradução, resolvi então me atrever a verter para o Português os versos rimados desse texto, intitulado On Shakespeare, apresentado no menu Trabalhos, Tradução, submenu John Milton. Na tradução possível das rimas, procurei manter, apesar de minhas pobres experiências poéticas, a nobreza e a altivez do texto original.

Gillian Anderson

Golden Gate


Local: Golden Gate Bridge (San Francisco)
Equipamento: Apple iPhone 3GS
Exposição: abertura f/2.8, velocidade 1/1107s e ISO64
Pós processamento: Apple Aperture 3

Abissal

cardosoNão é incomum que eu navegue pelo Extrato sem considerá-lo sério, austero e portanto, para os padrões atuais, enfadonho. Sua linguagem é rebuscada e a preocupação com a estética, excessiva. Os temas são geralmente elevados e a aversão pelo superficial é notória. Entretanto, o autor percebe que essa rigidez formal reflete apenas parte de sua personalidade, que está calcada não só naquilo que é profundo, mas também, em menor intensidade, no frívolo. Assim, neste post, atrevo-me a falar sobre aquilo que para mim é o ápice da superfluidade: celebridades. Então vamos lá. Um dia desses, vagando pelo incrível youtube, deparei-me com uma entrevista no programa denominado Na Moral, da Rede Globo, que, embora realizada há mais de um ano, não impediu que eu me pronunciasse, ainda que tão tardiamente: confesso que assuntos televisivos não me provocam necessidade alguma por atualização. A entrevista, conduzida pelo repórter-pseudo-poeta Pedro Bial, apresentador do programa, teve a participação do esquálido Pedro Cardoso, ator contratado da Globo, e de um fotógrafo paparazzi. Assistindo ao programa pela primeira e única vez, notei que sua dinâmica parecia ser a de incitar a polêmica: o assunto era a indústria das celebridades, defendida pelo fotógrafo e atacada pelo ator serelepe, efusivamente anunciado como sendo o inimigo número 1 dos paparazzi. Parecendo estar possuído pelo espírito de algum tagarela assanhadinho, provavelmente o do Clóvis Bornay, Pedro Cardoso iniciou a entrevista desferindo contra a profissão de seu oponente um arsenal de injúrias pré-formatadas, enquanto saracoteava pelo palco, constrangendo o entrevistador e dificultando o enquadramento das câmeras. Nesses ânimos e embasado numa autêntica filosofia de botequim, o ator argumentava que o problema fundamental não está no paparazzi em si, mas naquele que consome seus produtos, na mídia perversa e dominadora que alimenta uma indústria de ilusão. Declarou, como em todo bom discurso demagógico, que a vontade das pessoas em conhecê-lo é a mesma que ele tem em conhecê-las e, portanto, isso deveria impedir que sua privacidade fosse violada por terceiros, uma vez que ele não é diferente de ninguém. O fotógrafo teve pouquíssimas oportunidades para falar, mas, ao final e inesperadamente, revelou que o seu maior consumidor é a própria Globo, patroa dos dois Pedros e dona do programa. Diante dessa revelação, a consternação foi geral: Cardoso abateu-se como um anêmico e o canastrão Bial, que parece ter finalmente se convencido de que em mulher não se bate, pelo menos não nas circunstâncias em que uma de suas namoradas diz ter sido agredida, tratou logo de encerrar a entrevista pedindo socorro à boazuda Dira Paes, estranha partícipe do programa e cujo comentário final não me atrevo, por razões de assepsia, a citar aqui. Que o eminente ator não é diferente de ninguém, todos nós o sabemos, incluindo a mídia perversa que paga o seu salário, os paparazzi bisbilhoteiros e o público que deseja saber de sua vida. Ele se esquece entretanto que desde tempos imemoriais, as pessoas dotadas de alguma notoriedade, embora iguais a todas as outras, não conseguem e nunca conseguirão gozar de sua intimidade como qualquer anônimo. É no mínimo ingênuo querer acreditar que um notório artista conseguirá um dia ir a uma padaria, a um shopping, a uma farmácia, sem ser interpelado por alguém, sem ter sua intimidade violada em algum nível; algo impossível, uma vez que o sucesso nessa atividade está alicerçado inexoravelmente na notoriedade, no reconhecimento de um público. Um artista sem público não é artista. Os paparazzi e outros congêneres são, eventualmente, uma consequência dessa relação essencial, um de seus subprodutos. Se levarmos a sério as declarações de Cardoso no programa – algo que admito difícil de fazer – o ator demonstra sua abissal imaturidade, pelo menos no que diz respeito à sua profissão: ele deseja que ela seja desprovida de frustrações; tal qual um menino birrento, ele quer porque quer que as chatices de seu quotidiano de ator desapareçam, em particular os paparazzi. Todo o palavrório bem decorado que preparou acoberta o seguinte: ele ainda não sabe lidar com o fato incontestável de que a vida, em quaisquer de suas áreas, é feita mais de frustrações que de sucessos. Se o intelecto do ator dispor de alguma capacidade reflexiva, ele deve ter notado, após a entrevista, o ridículo de sua “atuação” e, ao tentar falar do tema numa próxima oportunidade, vai precisar optar entre revelar sua total incapacidade para conversar honesta e civilizadamente sobre a incômoda verdade de ser ele mais uma banal celebridade ou conceber um personagem sofisticado, com um discurso ainda mais hipócrita que o seu na entrevista, mas que dê a ele uma falsa sensação de segurança em relação aos dissabores do inesperado, daquilo que teima em não aceitar.

Maria Sharapova

Recolhimento

pilhaRevistasPor muito pouco, ganha-se um apelido. Na saudosa época de faculdade, eu tive o meu. A razão revelo-a aqui e somente agora, quando se encontra um pouco mais consolidada minha reputação. Convidaram-me para uma destas festas ignóbeis que somente alunos de engenharia conseguem promover. Nessa agitada reunião, ocorrida numa república masculina e portanto pestilenta, era possível observar o ser humano em seus modos mais primitivos: bebida, Bob Marley, palavrões, churrasco, piadas de baixo nível, gargalhadas,  arrotos, maconha, ruídos de flatulências, Raul Seixas e uma completa desobediência à Lei do Silêncio. O que definitivamente não havia eram mulheres, pelo menos durante grande parte da festa; algo que me agastava deveras, uma vez que a presença feminina ser-me-ia muito mais interessante e proveitosa que as demais atrações. Em um determinado momento, o pessoal ficou entediado tanto quanto eu, quando então alguém lançou a ideia de juntarmos forças para nos divertirmos a custa de um colega. Nosso ataque à vítima foi fulminante, não havendo tempo e nem meios para que o colega reagisse à investida de vinte marmanjos: nós então o despimos e o lançamos à rua, apenas vestido com suas meias brancas, trancando em seguida a porta da casa. O gélido junho de Uberlândia aliado à presença de um vizinho que assistia circunspecto àquela cena dantesca tornaram os gritos do colega ainda mais desesperados e o espetáculo que havíamos concebido ainda mais divertido. Para ele, foram cinco longos minutos de tortura, e para nós, de gargalhadas ininterruptas. Após o evento, a turma acabou se animando novamente, e tendo o colega recuperado suas vestes, não mais o vimos no recinto da festa. A fim de reincidir nas gargalhadas, fiquei relembrando a cena durante algum tempo, mas logo voltei ao desapontamento inicial. Comecei então a perambular pelos cômodos da república, indo parar na sala de estar, defronte a uma torre, a uma pilha de revistas eróticas exibindo os mais variados níveis do explícito: pronto, a festa acabava de adquirir um novo significado, uma nova dimensão. Sentei ali mesmo, pondo-me a folhear atentamente, página após página, revista após revista,  todo aquele conteúdo profano. Eu já estava no final da pilha e ainda não havia percebido que me encontrava completamente circundado pela numerosa quantidade de exemplares já vistos, todos espalhados, cobrindo o chão da sala. Foi assim, nadando nesse mar de perversão, que três colegas recém chegados me encontraram, acompanhados de suas delicadas e cândidas namoradas, ao adentrarem o mesmo recinto onde eu estava. As mais variadas versões dessa história correram pelo campus, cada qual com o seu traço pitoresco, mas nenhuma correspondente à verdade. Sentindo-me exposto, recolhi-me, frequentando a escola durante o tempo estritamente necessário. Semanas mais tarde, julgando o assunto encerrado, eu caminhava absorto em direção à biblioteca quando uma colega me interpelou com um sorriso no rosto: “É você que é o ‘mão na massa’?”. À princípio, não entendi a pergunta e por isso nada respondi, mas logo me ocorreu a necessidade de um novo recolhimento.

Corredor


Local: Jardin du Luxembourg (Paris)
Equipamento: Pentax Optio A30
Exposição: abertura f/2.8, velocidade 1/160s e ISO100
Pós processamento: Apple Aperture 3

Aniversário

balloons_and_confettiHá um ano, nascia este filho de minhas entranhas: o Extrato do Miolo. Das ideias iniciais, algumas ainda permanecem e outras tantas se agregaram. Agradeço aos leitores a atenção e o tempo que dispensaram a estes meus escritos pretensiosos. Obrigado.

Respeito

dupinDescobri a maioria dos autores que hoje me são familiares remexendo estantes de livros. Além de minha curiosidade congênita pela matéria, esse bisbilhotar tinha raízes na vontade de explorar o desconhecido, na procura por respostas, na busca por tesouros escondidos; ocupações essas que, vez por outra, tomavam horas de meus finais de semana, ou, dependendo da época, das minhas férias. Hoje percebo que a estante mais divertida, aquela que mais tive prazer em desbravar foi a da casa de meu avô; algo que costumava fazer nos dias mais frios, cinzentos e chuvosos de minha cidade natal. Ali, enfurnado dentro de casa, na pequena sala de estar, eu primeiro corria os olhos pelas prateleiras abertas da estante e depois abria as portas de sua parte inferior, onde havia uma imensidão de títulos empilhados desordenadamente; confusão que, ao invés de desestimular a procura, atiçava ainda mais o meu interesse. Conforme já citei em post anterior, numa dessas incursões pelo desconhecido, chamou-me a atenção um livro de capa sombria, amedrontadora, própria das histórias de horror, exibindo uma espécie de macaco gigantesco, com uma mansão decrépita em segundo plano, desenhados de maneira rudimentar, quase ingênua, mas compatível com o preço e a qualidade da edição. Tratava-se de um compêndio de contos do escritor norte americano Edgar Allan Poe (1809-1849) cuja capa ilustrava um deles, intitulado pelo tradutor Os Crimes da Rua Morgue. Talvez esse autor tenha sido o primeiro a compor o conjunto de artistas que admiro e, por conta disso, hoje ele não poderia faltar na minha biblioteca pretensiosa. O livro e as lembranças daquele tempo incitaram sonhos intranquilos, que numa noite tórrida me fizeram acordar com as antigas imagens do conto, ainda indefinidas. Resolvi então relê-lo a fim de aliviar o incômodo e também para poder reviver aquele tempo, aquelas horas à estante do meu saudoso avô, alguém que descobri recentemente ser também um bibliófilo. A péssima tradução que há muito repousava em minha estante impediu que eu prosseguisse e, ato contínuo, suscitou um encadeamento de ideias: primeiro, resolvi buscar traduções mais recentes e constatei que eram igualmente ruins; depois, apesar do meu parco conhecimento de Inglês, decidi ler o conto no original, mas isso não aplacou algo ainda indefinível que me inquietava; após algum tempo perscrutando os recessos de minha mente perturbada, percebi que eu desejava, na verdade, corrigir certas faltas cometidas, reparar culpas desconfortáveis, escondidas desde a morte de meu avô; culpas que, sem motivo aparente, emergiram. Diante dessa clarividência e desejoso de lhe agradecer pelos momentos inesquecíveis à sua estante, ocorreu-me traduzir o conto; mas traduzi-lo da maneira que o texto e seu autor merecem: com respeito. Após um longo tempo de labuta e animado por ter finalmente superado este desafio de verter para o Português um escrito do admirável Edgar Allan Poe, resolvi impor-me mais um, ainda não iniciado: traduzir, além desse, os outros dois textos com o mesmo protagonista. Assim, publico aqui no Extrato mais uma obra em construção, disponível no menu Tradução, submenu Edgar Allan Poe, chamada Os Contos do Monsieur C. Auguste Dupin, onde o primeiro deles, por mim intitulado Os Assassinatos na Rue Morgue, está finalizado. Por conta de minhas pesquisas e de uma absoluta falta de modéstia que frequentemente me acomete, trata-se, até o presente momento, da melhor tradução desse conto para a língua portuguesa.

Paula Toller

Hiato

Cha_de_bebe– Você já retirou o preservativo? – perguntou ela.
– Ainda não! Mas, cheio como está, convém substituí-lo. – respondeu ele.
– Não me refiro à continuarmos; apenas quero confirmar uma suspeita.
– Qual suspeita?
– Se ultrapassamos a resistência do látex.
– … Vejo aqui sua suspeita mais do que confirmada: a borracha estraçalhou-se.
– Julguei tal ruptura tão logo notei a excessiva humidade.
– Tranquiliza-me o fato de sermos duplamente precavidos.
– O que quer dizer?
– Da minha parte, preservativo; da sua, dispositivo intrauterino.
– Não comentei com você sobre o hiato?
– Qual hiato?
– A boa prática ginecológica recomenda que, de tempos em tempos, as usuárias de contraceptivos como esse promovam um hiato em seu uso.
– Imagino então que esteja nesse hiato?!
– Exatamente nele.
– Entendo. Saberia dizer se está fértil?
– Não.
– Entendo. Já recebeu aquela visita?
– Estou deveras irregular.
– Entendo. Estamos então à mercê da Mãe-Natureza?!
– Acredito que sim.
– Entendo… Bem, vamos aguardar. Desespero prévio só atrapalha.
– Concordo.
– Ademais, fertilização assim, num único deslize, é um fenômeno muito raro.
– Sem dúvida!
– Mudemos de assunto. Temos algum compromisso para esse domingo?
– Um chá de bebê.