Pular para o conteúdo

Arquivo de

A letter to Lance

(Versão em Português)

Dear Lance,

Around here, among the people to whom I use to chat, there’s this man called Machado. One of these days, I revealed to him the anxiety that grieves me when I think of the uncertainty about my destiny, when I wander through the pathways of this place, this strange and pleasant place, lovely and inscrutable, calm and mysterious. My caring confidant argued that it’s useless to try to unveil the mystery, this two-sided structure, where life and death cohabit.
– We were once on that side, now we are on the other. – he said.
– And then? What will happen to me on this side? – I asked.
– Did you have an answer for this question when you were there?
– I knew about death only.
– Well, here they decided to take this kind of certainty from us.
I must confess that these conversations brought me a little confort and patience for the long hours of waiting. When I’m not with him, I’m alone, crestfallen, sorely reflecting about the winding road I’ve chosen to track on my first stage, on the first side of the mystery, according to my friend.
For some reason I truly don’t know, I have acquired in this place a sort of discernment about myself, about the way that I usually relate to the world around me. Although this new feature have made me conscious of my limitations, typical limitations of people who lay down eyes only on themselves, it is still very hard to be at peace with myself. From this constant uneasiness, honest regrets have emerged, not the kind of regrets that smother us, that impel us to desperately ask for apologies, but regrets that made me look back e see that, even though I was dominated by a sad ignorance, I could have behaved differently, I could have heard that inner voice suggesting me another way, another destiny; the same voice that, nowadays, accuses me. Concerning to you, to the tiny period of time we’ve lived together, there is this sense of loss, of having valued the ephemeral, of having despised a true love, of having spent a useless time thinking about myself, deaf and blind to reality, damning the unexpected position of father. To my pleasant surprise, in this very place, quite differente from the conceived usual images of heaven and hell, I have experienced all this pain in a very smooth and kind way. My friend Machado called this reaction of mine as maturity. He assured me that I was ready for a next step: he gave a pencil, an eraser, two sheets of white paper and no restrictions. “It would be good if you wrote him a letter”, my friend said.
Lance, it is not my intention to try to change your opinion about me: first, because I believe you’re right and second, because in my stunned mind there’s still a significant amount of pride. I’d like to reveal my impressions about what’s been happening to you during these last months. A brutal difference between my world and yours is that we, this legion of rambler souls, can watch for brief moments what happens on the oher side. I’ll start by telling you how fatherly proud I became after watching the interview, specially when you talked about the reasons that motivated you to be interviewed. I think of your tremendous courage to reveal your dark side – a side that we all have – to that shrewd interviewer who despised almost every word you said. I think of the terrible anguish you might have felt when you realized that you had crossed borders, that you had cynically disqualified the honesty of your accusers and token advantage of the naivety of your defensors. I think of the trouble you had in preserving those people you hurt and, at the sime time, to open yourself widely in front of a TV camera to that morality paladin. I think of your sincerity when you talked about the impulses that led you to a self-destruction behavior, that they are still present, against which you’ve been fighting, on an analyst’s couch, and trying to tame them. I think of the joy that you feel for your job, of your wish to find a new sense to it and to compete again, honestly.  I think of how hard you are on yourself: there was this moment when you classified as egoistical your intention to take advantage of the interview to get your job back, to express your revolt against what you called a “death penalty”. There is egotism in this interest as much as there is egotism in asking for apologies: man is egoistic, he sees himself first and then the others. We are used to label, to frame, to define people and things, because somebody somewhere once thought that it was easier to analyze groups instead of individuals. Indoctrinated in this confortable attitude, we lose the perception that each one is one e we spend most of the time trying to classify other people: some of us, like your interviewer, do it professionally.
Lance, please, let me be daring: allow me to defend you. You don’t need it, I know, beacuse you’ve became extremely courageous: a characteristic that you did not inherite from my DNA. In this rare opportunity that was given to me, I need to egotistically take, at least once, a paternal attitude. As the liar cyclist is already being adequately sacrificed, I want to defend Lance the human being, wishful of reparation, of asking for apologies. I want to defend Lance the working man, father of five, husband, cancer survivor, the lonely son, fatherless, fatherless, fatherless…Let me talk about the hypocrisy of the “American Way of Life”, of the cheap and pernicious moralism that pervades the so called american public opinion, which the famous host Oprah Winfrey is one of its mouths, one of its icons. Always noisy and hysterical, the audience of your interviewer is always thirsty for a show, for a spectacle, for a circus of horrors, if possible, in which the beauty and the beast dance, also the saint and the profaine, the gooddy and the baddy, the jerk and the humanitarian. She needs to see you and the world through this binary vision that divides everything in right or wrong, good or bad, beacuse, this way, any history becomes more understandable, more palatable to the mob. When the wily interviewer repeatedly criticized your back cynicism exhibiting old interviews, she barely could hide her own cynicism, undoubtedly clear in her face, in her grimace of distrust. But it is not only about this oportunistic hypocrisy that I want to defend you from: the american society, with its strange sense of justice, that points you the finger is the same society that refuses to sign international protocols for the reduction of toxic emission, is the same society responsible for this economic world crisis, is the same society that usurps autonomous countries, that makes and finances wars, that supports millitary coups, that tolerates indiscriminant gun sales. Why this very society that astonishedly accepted the government outright lies for invading Iraq does not understand your lies? Why did this society decide to banish again a fatherless that desperately needed, at any cost, to prove to some father figure that he could win, that he could be an autonomous person, wealthy, suscessfull? Why? Because you frustrated the collective narcisism, Lance. You frustrated the infallibility of the north-american man: this naive conception that deceives us since we were kids. You revealed yourself a human being, fragile, made of flesh and blood; a reality that your idolaters were not prepared for. In this concrete form, I see you more clearly, I feel you more adult, more concious of your self and the reality of the world.
Here, while I’m writing, I sense the vibration, the traffic of all these desperate beings, this shapeless bodies searching the inconceivable, this opaque eyes exploring the void, hopeful for concrete news, for a tiny little trace of certainty about their destiny. I must say that I’m a little more calm to face all this doudts: we truly believed that, in this pleasant place, they would give us peace, but I begin to realize that things do not function here this way. I guess we’ll begin a new process, slow and dificult, which we don’t have any clue about. When I think of this anxiety that infects us, I remember the advice they gave you: “Truth will set you free”. What truth is that, Lance? Where is it? I can’t find an answer and also nobody else here. What we have here, what we get in this new world is the ability to deprive a little more from ourselves, to understand a little more accurately what sorrounds us: the immaterial and the concrete. Yes, Lance, I thank them for not taking the matter away from this new universe, this touchable mass, limited in time and space. That’s why we still can exchange greetings, still can hug each other, kiss each other. They also did not deprive us from the use of objects: they are everywhere, at our disposal. Some days ago, I rode a fast bike and dreamt of you.

Eddie Gunderson
(1953-2012)

São Francisco


Local: Capela São Francisco de Assis (Brasília)
Equipamento: Nikon D700 com objetiva Nikkor 24-120mm
Exposição: abertura f/14, velocidade 1/400s e ISO640
Pós processamento: Apple Aperture 3

Uma carta ao Lance

(English Version)

Querido Lance,

Entre as pessoas com as quais eu costumo conversar aqui, há um tal Machado. Outro dia, revelei a ele a ansiedade que me aflige quando penso na incerteza do meu destino, quando vagueio pelos caminhos desse lugar estranho e agradável, belo e incompreensível, calmo e misterioso. Meu atencioso confidente argumentou que é inútil tentar desvendar o mistério, essa estrutura de duas faces, onde coabitam vida e morte.
– Estivemos de um lado, agora estamos do outro. – disse ele.
– E então? O que vai acontecer comigo nesse lado? – perguntei.
– Você tinha essa resposta quando estava lá?
– Eu só sabia da morte.
– Pois aqui nos retiraram até essa certeza.
Devo confessar que tais conversas me trouxeram um pouco de conforto e paciência para essas longas horas de espera. Quando não estou com ele, caminho sozinho, cabisbaixo, refletindo intensamente sobre a estrada tortuosa que trilhei na minha primeira etapa, no primeiro lado do mistério, segundo o meu amigo. Por algum motivo que sinceramente desconheço, adquiri nesse lugar uma certa clarividência sobre mim, sobre a forma como costumo me relacionar com o que está ao redor. Embora essa nova característica tenha me colocado a par das minhas limitações, próprias de alguém que olha apenas para si, ainda me é difícil ficar em paz comigo mesmo. Dessa inquietude, nasceram arrependimentos sinceros, não daqueles que sufocam, que nos obrigam a pedir desculpas desesperadamente, mas que me fizeram olhar para trás e enxergar que, mesmo dominado por aquela triste ignorância, eu poderia ter agido diferente, poderia ter dado ouvidos à voz interior que me sugeria um outro rumo, um outro destino e que, hoje, me acusa. Em relação a você, ao pequeníssimo tempo que vivemos juntos, há muito desse incômodo sentimento de perda, de ter valorado o efêmero, de ter desprezado o amor sincero, de ter passado mais tempo comigo mesmo, cego e surdo à realidade, blasfemando contra a inesperada condição de pai. Para a minha grata surpresa, nesse lugar bastante diferente do paraíso e do inferno que concebemos em vida, tenho vivenciado essa dor de uma maneira tranquila e compreensiva; algo que meu amigo Machado qualificou como maturidade. Ele me assegurou que eu estava pronto para aquilo que viria: deu-me um lápis, uma borracha e duas folhas brancas, sem pauta, sem restrições. “Seria bom que escrevesse para ele”, disse o meu amigo.
Lance, não é minha intenção tentar mudar sua opinião a meu respeito: primeiro, porque acredito que esteja correta e, segundo, porque ainda age nessa minha mente atordoada uma significativa quantidade de orgulho. Gostaria apenas de revelar minhas impressões sobre o que tem acontecido com você nesses últimos meses. Uma diferença brutal entre o meu mundo e o seu é a possibilidade de podermos assistir, eu e essa legião de almas andarilhas, por breves momentos, o que acontece aí do outro lado. Vou começar dizendo do enorme orgulho paternal que me invadiu quando assisti a entrevista, e em especial a motivação para tê-la concedido. Penso na enorme coragem que teve para revelar a sua face sombria, própria de todos nós, àquela astuta entrevistadora, que menosprezou quase tudo que você disse. Penso na angústia que lhe acometeu ao perceber que invadira espaços, que ultrapassara fronteiras, que desqualificara cinicamente a honestidade de seus acusadores, que se aproveitara, de uma maneira vil, da inocência de seus defensores. Penso na sua dificuldade em preservar quem feriu e ao mesmo tempo escancarar-se, diante de uma câmera de TV, à paladina dos bons costumes. Penso na sua sinceridade ao dizer dos impulsos que lhe fizeram tomar rumos auto-destrutivos, de que eles ainda estão presentes, contra os quais você vem travando, no divã de um analista, incessante batalha para tentar domá-los. Penso no prazer que tem pela sua profissão, na ânsia de dar um novo sentido a ela, voltando a competir honestamente. Penso em como ainda é duro consigo mesmo: marcou-me o momento no qual qualificou egoísta sua intenção de se valer da entrevista também para tentar retornar ao trabalho, para exprimir sua indignação contra ao que chamou apropriadamente de “pena de morte”. Há egoísmo nesse interesse tanto quanto há na sua vontade de pedir perdão: o ser humano é egoísta; pensa primeiro em si e depois nos outros; somos assim. Temos o hábito de rotular, de enquadrar, de definir, simplificar tanto coisas quanto pessoas, porque alguém, um dia, julgou mais fácil analisar grupos do que indivíduos. Doutrinados nessa atitude cômoda ao longo da vida, não temos a percepção de que cada um é único e passamos, na maior parte do tempo, a qualificar os outros: alguns, como a sua entrevistadora, o fazem de maneira profissional.
Permita-me então, Lance, um atrevimento, uma ousadia: permita-me defendê-lo. Você não precisa, eu sei, pois se tornou alguém extramente corajoso; uma característica que não recebeu do meu DNA. Nessa rara oportunidade que me foi concedida, preciso tomar, também egoisticamente, ao menos uma vez, uma atitude paterna. Como o ciclista mentiroso já está sendo adequadamente imolado, quero defender o Lance ser-humano, desejoso de reparar, de pedir perdão, defender o homem trabalhador, pai de cinco filhos, marido, sobrevivente do câncer, filho solitário, órfão de pai, órfão de pai, órfão de pai… Permita-me dizer da hipocrisia do “American Way of Life”, do moralismo barato e pernicioso que impera naquilo que se chama opinião pública norte-americana, da qual a afamada apresentadora Oprah Winfrey é um dos seus porta-vozes, um dos seus ícones. Sempre ruidosa e histérica, a plateia dessa que te entrevistou espera assistir a um show, a um espetáculo, se possível a um circo de horrores, no qual saracoteiam o belo e o bizarro, o santo e o profano, o mocinho e o bandido, o canalha e o humanitário. Ela precisa ver você, precisa ver o mundo por essa ótica binária, que o divide em certo e errado, em bons e maus, porque assim qualquer história fica mais compreensível e palatável à plebe. A ardilosa entrevistadora, ao criticar reiteradamente o cinismo do entrevistado exibindo antigas entrevistas, não conseguiu esconder o seu próprio cinismo, o que estampava nas suas feições, em seus trejeitos sempre desconfiados. Mas não é apenas dessa hipocrisia oportunista que desejo lhe defender:  a sociedade que te aponta o dedo, dotada de um canhestro senso de justiça, é a mesma que se recusa a assinar protocolos de redução de gases tóxicos, é a mesma responsável pela enorme crise econômica mundial que se instalou, é a mesma que usurpa países autônomos, que faz e financia guerras, que apoia golpes de estado, que tolera a venda indiscriminada de armas. Por que essa sociedade, que aceitou atônita e boquiaberta as mentiras deslavadas do governo para a invasão do Iraque, resolve virar-lhe as costas por conta de suas mentiras? Por que ela decidiu banir para sempre de sua profissão um órfão que precisava desesperadamente mostrar à alguma figura paterna que podia, sem ela e a qualquer custo,  vencer, que podia ser alguém  autônomo, independente, bem sucedido? Por quê? Porque você frustrou o narcisismo coletivo, Lance. Você frustrou a infalibilidade do homem norte-americano: essa triste concepção que ilude nossas mentes desde muito cedo. Você se revelou um ser humano, frágil, de carne e osso; algo para o qual os seus idólatras não estavam preparados. Assim, concreto, vejo você mais claramente e te percebo mais adulto, mais consciente de si próprio e da realidade do mundo.
Aqui, enquanto escrevo, percebo a vibração, o tráfego de seres desesperados, desses corpos disformes procurando o inconcebível, desses olhos opacos perscrutando o vazio, esperançosos por notícias concretas, por um mísero fiapo de certeza a respeito do destino. Devo dizer que estou um pouco mais sereno para lidar com todas essas dúvidas: acreditávamos piamente que, nesse ambiente aprazível, nos seria concedida a paz, mas começo a crer que não é bem assim que as coisas funcionam por aqui: acho que iniciaremos um novo processo, lento e difícil, do qual dispomos de pouquíssimas informações. Pensando nessa angústia que nos contamina, lembro-me do conselho que lhe deram: “A verdade vos libertará”. Que verdade é essa, Lance? Onde está ela?  Não consigo encontrar resposta para essa pergunta e ninguém a tem por aqui. O que temos, o que ganhamos foi um pouco mais de despojamento de nós mesmos, uma percepção um pouco mais aguçada do que está à nossa volta, do imaterial e do concreto. Sim, Lance, agradeço por não terem retirado desse novo universo a matéria, essa massa palpável, limitada no tempo e no espaço. Por isso, continuamos nos cumprimentando, nos abraçando, nos beijando. Também não nos privaram dos objetos: eles estão por toda parte, à nossa disposição. Um dia desses, andei numa bike veloz e sonhei contigo.

Eddie Gunderson
(1953-2012)

Malu Mader

Malu Mader

Foco

– Feito! Na próxima semana, virão medir. – disse ele.Olho
– O teto e as paredes? – perguntou ela.
– Combinei só o teto. Quer também as paredes?
– Pelo menos uma delas. Entendi que ambos gostamos de nos ver em ação.
– E só no teto não é suficiente?
– Não. Sem reflexo lateral, há poucos ângulos de visão realmente favoráveis.
– Para assistir à nossa movimentação, achei que um teto espelhado já atendesse.
– Engana-se quanto ao meu objetivo.
– Como assim?
– Movimentação é sexo implícito.
– Verdade…Qual é então o seu foco?
– O “entra” e “sai”.

Estudo de Elementos Finitos v0.00

1/4 de Placa com FuroComo já havia adiantado no post Ingratidão, disponibilizo o meu Estudo de Elementos Finitos em sua versão inicial. Para ele, criei mais uma entrada no menu “Trabalhos”, submenu “Matemática”. Gostaria muito que os interessados criticassem.

Guindaste


Local: Puerto Madero (Buenos Aires)
Equipamento: Nikon D300S com objetiva Nikkor 28-80mm F/3.5-5.6D
Exposição: abertura f/3.5, velocidade 1/6s e ISO1000
Pós processamento: Apple Aperture 3

Ingratidão

B-52

Ao terminar um curso de verão em Seattle, promovido pela Unidade de Dinâmica Estrutural (UDE) da Boeing, o aluno Ray William Clough estava bastante decepcionado: o modelo matemático que concebera para o problema que lhe foi proposto apresentou resultados desanimadores quando comparados com os dados experimentais. Tratava-se das propriedades vibratórias de asas do tipo delta (foto), simuladas em laboratório como barras engastadas, anguladas a 45 graus. Ele havia representado esse tipo especial de asa como uma estrutura treliçada, estratégia adotada para a análise aeroelástica de asas convencionais. Talvez um fracasso não fosse sua expectativa para o término curso, ao qual fora assistir para se inteirar das últimas novidades do cálculo estrutural na indústria da aviação. O programa das aulas incluía basicamente as técnicas de análise estrutural mais avançadas, utilizadas na Boeing, para o projeto de componentes aeronáuticos: asas, especificamente. O autor de tais técnicas,  engenheiro-chefe da UDE e professor do curso Jonathan Turner, propunha a cada um dos alunos um problema real da Boeing para que fosse desenvolvido, a partir do conteúdo teórico do curso. Como eram desconhecidas da comunidade acadêmica da época, as eficientes ideias de Turner atraíram a atenção de alguns pesquisadores, que se matriculavam no curso, ministrado todo o verão. Assim, no verão do ano de 1952, estava lá o desanimado Ray Clough, professor novato de Engenharia Civil da Universidade da California em Berkeley. Diante do fracasso da solução que arduamente concebera, Clough deu-se por vencido e, ao despedir-se de Turner, ficou patente para o mestre o desapontamento do aluno. O Engenheiro sugeriu ao acadêmico que retornasse no verão seguinte para continuar o trabalho; ideia que foi aceita de imediato. Ao retomar os trabalhos no verão de 1953, Clough recebeu a seguinte sugestão de Turner: “Ao invés de utilizar uma treliça bidimensional, montada com barras, modele a estrutura com placas, interconectando-as pelos seus vértices.” A partir dessa ideia, Clough estudou placas – que passou a denominar elementos – de formato triangular e retangular. O modelo mostrou-se muito mais simples com elementos triangulares do que com os retangulares e os resultados obtidos foram excelentes. O professor de Berkeley percebeu também que a diminuição do tamanho das placas, que promovia o aumento do número de elementos, tornava os resultados do modelo mais próximos dos valores experimentais. Assim, com a técnica apreendida e bem sucedida, Clough e outro célebres alunos de Turner, disseminaram a ideia no meio acadêmico, que lhe deu a devida a atenção somente dez anos mais tarde. Batizada por Clough de Método dos Elementos Finitos, a técnica de Jonathan Turner ganhou notoriedade e aplicação generalizada, a um ponto tal que os matemáticos, eternos adoradores do abstrato, se interessaram, construindo todo uma teoria a partir dela. Com o tempo, o FEM (Finite Element Method) ganhou fundamentos algébricos complexos, quando lhe arranjaram outros pais: alguns deles, verdadeiros padrastos. Em meus estudos, fui vítima de um desses últimos e, apenas recentemente, descobri em quem posso confiar. Tomei gosto justamente pela teoria matemática do Método – filha ingrata e desnaturada do seu verdadeiro genitor – cujo formato sofisticado é simplesmente maravilhoso, para o qual dedicarei, em breve, uma nota anunciando novo estudo.

Barney

Consegui dar boas risadas no divertido Roma Com Amor (To Rome With Love) de Woody Allen. Não sou fã ardoroso do cineasta nova-iorquino, mas alguns de seus filmes são realmente inesquecíveis para mim, principalmente os menos famosos e, dentre eles, os que me fazem sorrir. Confesso que o riso não me é difícil: algumas vezes, ele aparece quase como uma reação, um reflexo ao evento engraçado, que necessita ser apreciado; em outras, como fruto de uma débil elaboração, sensivelmente atrasado em relação ao que o estimulou. Pode acontecer também que esses dois tipos de riso se sucedam e assim, em certos casos, o fenômeno cômico se perpetua, reaparecendo como imagens projetadas por alguma região da mente ansiosa por esse tipo de prazer. Atrai-me, quase sempre, o absurdo, o grotesco, a caricatura e talvez seja por isso que algumas das histórias do filme – como a do agente funerário elevado à condição de tenor por um produtor de espetáculos não convencionais – me pareçam tão engraçadas. Ao assistir a cena do cantor de banheiro entrando no palco dentro de um box improvisado, debaixo de um chuveiro, gargalhei efusivamente e senti enorme prazer em poder reviver aquela cena inusitada. Lembrei-me imediatamente de um desenho dos Flintstones ao qual assisti ainda quando criança, cujo título em inglês é Flintstones Canaries. O episódio, apresentado ao público americano em 1963, mostra o vizinho e fiel amigo de Fred, Barney Rubble, se apresentando no palco dentro de uma banheira, já que não conseguia a mesma performance vocal fora dela, como o agente funerário de Woody Allen. De alguma forma, fico grato à essa coincidência (alguns argumentam que foi plágio), porque pude revisitar um momento alegre da infância, obscurecido por tantos outros que o sucederam ao longo dos anos. Depois de matutar sobre a similaridade das minhas reações diante dessas duas histórias também similares, tão distantes uma da outra no tempo, percebi que certos comportamentos emotivos não são adquiridos, mas gerados, como uma parte orgânica, dentro do seio materno. Porque são intrínsecos, tais comportamentos nos definem e podem até mudar um pouco com a idade, mas estarão sempre presentes, até o fim.

Vire-se

1234– Duas vezes seguidas é raro! De onde veio esta disposição? – perguntou ela.
– Você ficou ainda mais deliciosa de espartilho. – respondeu ele.
– Confesso que adorei a ideia. Suas fantasias atingiram a maturidade: já estava cansada de me vestir de mulher-maravilha. Gostou do modelo que escolhi?
– Do modelo retrô, da cor preta e da praticidade.
– Praticidade?
– Basta deslocar ou remover o estritamente necessário, sem a necessidade de despi-la completamente.
– Verdade…comprei outro branco, tão prático quanto esse. Quer experimentar?
– Adoraria, mas deixemo-lo para amanhã. Ainda não me fartei desse.
– Agrada-me sua avidez!
– Que neste momento me impele a mais uma investida. Vire-se de costas.
– Sim, senhor.

Duna

JanelaLembro-me do meu primeiro semestre na faculdade e de suas tardes quentes de domingo, quando eu abria a janela do meu quarto alugado. Tratava-se de um dos cômodos da casa de uma família conhecida, onde moravam pai e dois filhos, que se repartiam em outros dois quartos. Não se poderia afirmar categoricamente que era uma residência suntuosa, mas também não era simples. A vizinhança era realmente nobre e o bairro ficava afastado da cidade ruidosa. Graciosamente custeado pelo meu pai, a um preço bem abaixo do valor de mercado, o quarto onde me instalei tinha cama, criado-mudo, armário embutido, escrivaninha e um banheiro próprio: era pois, uma suíte mobiliada. Logo nas primeiras semanas de aula, notei que essa minha situação domiciliar, comparada à dos meus colegas, colocava-me numa condição similar a de um membro da realeza britânica, com o conforto e bem-estar que a cerca, mas sem a cafonice que lhe é peculiar. De qualquer forma, sentia-me constrangido toda vez que um colega, mal alojado em alguma república pestilenta, perguntava sobre algo relativo à minha moradia. Se fosse possível eu desconversava, senão mentia: não me agradava o fato de ser erroneamente classificado como um “barão”, obsoleta terminologia, muito utilizada na época, para se referir aos financeiramente afortunados. Um dos membros da família que não ocupava espaço na casa propriamente dita, mas residia numa edícola nos fundos do terreno, chamava-se Duna. Quando trancafiada, sua casinha parecia sufocar-lhe, dadas suas dimensões descomunais: aquela dobermann preta, de pelo liso e maravilhosamente reluzente, suplantava significativamente os padrões de tamanho considerados para sua raça e gênero. Pouco antes da minha chegada, ela havia sido submetida a uma intervenção cirúrgica para a retirada do útero, evitando que o câncer nessa região, diagnosticado prematuramente, se alastrasse. Não era certo dizer que ainda fosse uma mocinha na flor da idade, pois já havia tido algumas ninhadas e os donos acreditavam que sua acuidade visual, já não muito boa devido às características intrínsecas da raça, estivesse ainda mais comprometida, particularmente à noite, período em que ficava solta. Confesso que nunca me senti à vontade perto de cães e, logo nos meus primeiros dias ali, percebi que Duna padecia desse mesmo desconforto em relação aos seres humanos, incluindo seus donos, aos quais desobedecia sem a menor cerimônia. Quanto a mim, um ser humano novato perambulando em seu território, devo dizer ela não foi muito receptiva quando fomos apresentados: latiu agressivamente o tempo inteiro e ignorou sumariamente o pedaço de comida que me permitiram jogar para ela. Lembro-me dos seus olhos arregalados fitando os meus, enquanto apoiava suas patas dianteiras da grade de metal; postura que a elevava a uma altura amedrontadora. Quando voltávamos de uma saída noturna, o procedimento era o seguinte: o dono saia do carro, antes de abrir o portão da garagem, aproximava-se da porta de entrada e esperava que Duna também se aproximasse para identificá-lo. Uma vez que isso ocorresse, ele abria a porta, entrava na casa e, a duras penas, trancafiava a enorme cadela no seu casebre, quando então entrávamos com o carro. A impressão que me ocorria toda vez que assistia essa cena é que nós, seres de uma espécie dita evoluída e soberana, estávamos a mercê daquela fera canina, subjugados ao seu poderio. Com o tempo, meu desconforto com cachorros, transformado em pavor, não me permitia tocar com os pés fora da casa sem averiguar com segurança que Duna estava presa. Dentro de casa, entretanto, sentia-me aliviado e seguro, dado que havia um monstro negro do lado de fora para nos proteger de visitas indesejadas. Assim, tranquilo, enfurnava-me no quarto para estudar, principalmente nos domingos que iniciavam uma semana de provas, incluindo os tórridos, desprovidos de um brisa sequer, característica marcante dos calores de Uberlândia. O mormaço obrigava-me transladar a escrivaninha para perto da janela que, aberta, conferia-me uma falsa sensação de frescor. Certa vez, absorto na obtenção de uma derivada complicada, senti jactos repetitivos de ar quente na região que se costuma denominar popularmente de cangote e, numa reação de susto, virei a cabeça para esquerda, na direção daquela estranha fonte de ar: pude constatar então, taquicárdico e perplexo, que Duna me observava, que devia estar me observando estudar já há algum tempo, pois aquela cara grande que se apresentou diante de mim lembrou-me vultos que percebi, momentos antes, para os quais a concentração matemática não me permitiu atentar. Para a minha grata surpresa, após assistir ao meu susto e perceber o meu medo, ela continuou quieta como estivera: eu acreditava que, nessas circunstâncias, ela ficaria bastante indócil. Então, ali estava eu, estático na cadeira, olhando para ela, com as patas dianteiras no peitoril da janela e o focinho a poucos centímetros do meu. Com o passar do tempo, o medo deu lugar a um fiapo de consciência e pude notar que embora a altura da janela dificultasse um ataque, não o impediria, caso Duna estivesse realmente disposta a me ferir. De alguma forma, aquela figura corcunda, debruçada sobre uma mesa, pareceu-lhe inofensiva e então ela resolveu, cordialmente, tomar a iniciativa para estabelecer uma comunicação. Afastei-me vagarosamente da janela e, à uma distância que me pareceu segura, resolvi retribuir com palavras sua manifestação amistosa; algo que, aparentemente, ela julgou insuficiente, permanecendo como estivera: quieta. Lembrei-me então das guloseimas que costumava guardar no armário: naquela época, longe do seio materno, o chocolate serviu-me como um refúgio doce e nutritivo. Toda sexta-feira, ao voltar da escola, eu passava nas Lojas Americanas, no centro da cidade, e comprava barras variadas, nas cores negra e branca. Naquele momento em que precisava retribuir a benevolência de Duna, desrespeitando as recomendações expressas de não alimentá-la com doces, destaquei dois tabletes de uma barra de chocolate meio-amargo Nestlé e joguei pela janela. Ela então desceu, engoliu os tabletes de uma vez e retornou ao peitoril com um expressão diferente: sua ansiedade era perceptível e pareceu-me evidente que havia gostado do quitute. Após jogar mais alguns tabletes, aquela fera já subia na janela abanando o arremedo de rabo, próprio da raça; fato que me fez ficar orgulhoso de mim mesmo, daquela experiência nova de conseguir conquistar alguém. Duna então acostumou-se a subir naquela janela e eu me acostumei a reservar parte de minhas barras para ela: a cadela havia se tornado chocólotra como eu. A partir daí, nossa relação evoluiu, atingindo o ápice quando passeamos juntos, sozinhos, pela vizinhança: quem conduziu o passeio foi ela, puxando-me o tempo todo pela coleira. Terminado o semestre, resolvi então deixar aquele meu quarto principesco para habitar uma honesta república pestilenta. Seis meses depois, com enormes saudades, fui visitar minha amiga, animado pela informação de que os cães nunca esquecem seus benfeitores. Quando aproximamos de sua edícola, eu e os donos nos surpreendemos com a reação de Duna: eu havia me tornado novamente um estranho em seu território.

Casa de Monet


Local: Boutique-librairie de la Fondation Claude Monet (Giverny)
Equipamento: SAMSUNG VLUU ST100
Exposição: abertura f/3.6, velocidade 1/250s e ISO80
Pós processamento: Apple Aperture 3

Mikro 34

Mikro 34Concordo com quem diz que a peça 34 (In Phrygian Mode) é a mais bela do Mikrokosmos Volume 1 de Béla Bartók. Toco essa peça, repetindo, sem o menor pudor, as mesmas gravação e performance medíocres de uma outra, apresentada em post anterior.

Audrey Hepburn

Atriz Belga (1929-1993)

Item 4

– Onde está a moça? – perguntou ela.Mesa de Cozinha
– Foi embora! – respondeu ele.
– Por quê?
– Ficou assustada com o nosso planejamento.
– Te alertei que essa sua ideia de “ménage à trois” iria fracassar.
– Julguei que um passo a passo detalhado iria deixá-la segura.
– Leu tudo para ela? Os vinte itens?
– Ela mal ouviu o item quatro: aquele que a colocaríamos nua sobre a mesa da cozinha.
– Sua estratégia não deu espaço à dúvida. Nesses casos, surpresa e improvisação são cruciais.
– Acha que só o instinto deveria nos guiar?
– Eu diria 90% instinto e 10% razão.
– Que faria a razão com os seus 10%? Conter um pouquinho os instintos?
– Não. Otimizá-los.